Dulce Regina faz previsão para Portugal em 2017 na Revista Sábado

Publicado por Publicado em Na mídia, NOTÍCIAS

As bodas de ouro, prata e cristal dos astrólogos: o que eles prevêem para 2017

Há previsões que apontam para um novo 25 de Abril, outras para um abanão do Governo a partir de Maio. Mas vem aí mais turismo. A SÁBADO ouviu sete seniores em astros que explicam como continuam a dar cartas.

Uns lançam cartas há mais de 30 anos, outros vão a caminho de uma década. Mas todos garantem ter um casamento feliz com a astrologia. Os veteranos da área, que também dão formação aos mais novos, registam um pico de procura nesta altura, devido às resoluções.

Mais ou menos optimistas, os profissionais estão de acordo num ponto: 2017 será um ano marcante para o País. Se, por um lado, Portugal vai evidenciar-se pela vinda do Papa Francisco a Fátima, em Maio; por outro, o Governo poderá sofrer um abanão e até haver eleições. Os da linha revolucionária falam em novo 25 de Abril.

A SÁBADO revela-lhe quem comemora as bodas de ouro, de prata e de cristal da astrologia e como ao fim de tantos anos os veteranos continuam a dar cartas na actividade.

Bodas de ouro: casados com a astrologia há mais de 30 anos

Dulce Regina: dedicação ao trabalho em 2017 dá recompensas em 2018

O ponto de partida para Dulce Regina é o ano de 1143, da fundação de Portugal. Depois cruza dados; analisa o signo do País (Peixes) e o Ascendente (Caranguejo); compara trabalhos idênticos de Maria Flávia de Monsaraz e de Fernando Pessoa; e chega a linhas orientadoras para 2017.

O mapa Karmico de Portugal (não se assuste com o termo karma, que significa lei universal da harmonia) feito pela astróloga, a pedido da SÁBADO, dá ênfase à parte do trabalho. “As pessoas devem criar novos métodos e dedicar-se mais a essa área. Período em que não se deve deixar nas mãos de outros o que é da responsabilidade de cada um.”

A cooperação com colegas trará recompensas em 2018. “Ou seja, tudo o que se plantar em 2017 nessa área retornará positivamente.” É o período ideal para renovar o padrão de amizades e reorientar a espiritualidade.

A astróloga karmica de 65 anos e mais de 30 de carreira alerta que, a nível mundial, haverá uma reestruturação de poder. “As velhas forças negativas terão de vir à tona para que haja uma limpeza geral no planeta.” E remata que “devemos aproveitar o trânsito de Neptuno para ajudar os outros.”

Numa vida passada foi nómada
Dulce Regina vai para onde a chamarem. Emirados Árabes, Holanda, Portugal são alguns dos destinos. A avó astróloga, de nacionalidade brasileira e neta de portugueses, acredita que numa das vidas passadas foi nómada. Fala no plural porque através da regressão descobriu que em tempos remotos também pertenceu à corte francesa, foi próxima de um faraó do Egipto e uma criança abandonada.

A busca espiritual levou-a a respostas mais aprofundadas. No começo, encontrou-as com a ajuda de uma terapeuta. Iniciou as sessões de regressão com cerca de 30 anos e manteve-as ao longo de dois. O lado oculto já se manifestara na infância, aos 7 anos, em frente ao espelho. “Via a figura de uma pessoa mais velha. Devia ter sido eu noutra encarnação.”

Casou-se cedo, aos 24 anos, com um académico pragmático que desconfiava da astrologia. Dulce não entrou em conflitos. Além de cuidar dos dois filhos, trabalhou como administrativa na empresa de marketing dele. Uma vida sem sobressaltos, embora a ruptura conjugal estivesse iminente. “A partir das regressões comecei a estudar astrologia e nunca mais parei. Fiz um curso de quatro anos, onde começámos por ser 30 alunos e acabámos dois. Separei-me e assumi a astrologia como profissão.”

Em São Paulo, a astróloga gere a sua agenda para assegurar a folga à sexta-feira. É o dia dedicado à neta, de 6 anos. “Vamos às compras.” Nos restantes, nem dá pelo tempo passar como astróloga karmica e terapeuta de vidas passadas. Na véspera da consulta, além de solicitar os dados habituais para desenhar à mão o mapa astral (data de nascimento, hora e local) pede ao cliente que indique as datas de nascimento de dez pessoas próximas para ver a relação karmica.

No processo espiritual, que pode incluir regressão, os pacientes libertam a mágoa e assimilam energias positivas. A terapeuta que já lançou cinco livros (três reeditados em Portugal) e atende periodicamente em Lisboa só deixa um aviso: não faz milagres.

Leia a matéria completa no site da Revista Sábado, clique aqui.

Dulce Regina é astróloga kármica e terapeuta de vidas passadas. Há trinta anos realiza o estudo e a prática nos quatro segmentos que compõem a área do conhecimento humano (mapa astral kármico, regressão, limpeza kármica e revolução solar). Realiza consultas ao redor do mundo, em locais como Portugal, Espanha, França, Suíca, Macao, Índia e Dubai, nos Emirados Árabes.

Website: www.dulceregina.com.br

Mais postagens